Casar ou comprar uma bicicleta?

segunda-feira, julho 15, 2013 Aline 6 Comments

Talvez a tal metáfora 'Caso ou compro uma bicicleta?' caia perfeitamente bem neste post. Aliás, seria essa uma metáfora? 





Vi dias atrás em um dos muitos blogs que sigo algo como 'enquanto muitas casam, eu vou ser AuPair'  (veja o post aqui) e claro, me identifiquei totalmente. O fato é que isso chegou a me causar uma quase-depressão-confusão, já que estava prestes a completar 25 anos (o que ocorreu no dia 8!) e observava todas ao meu redor comprando apartamento, planejando casamento e postando no facebook sobre aquela página 'o mundo das noivas'. Que caralho, será que é obrigatório chegar a essa idade e ter que se casar? 

O que às vezes (sim ÀS VEZES) sinto é que estou 'andando para trás', ao invés de 'seguir o fluxo natural da vida'. Mas péra. Quem disse que me casar agora é obrigação?!

Não que eu seja contrária a ideia do matrimônio ou daquelas que acreditam que 'isso é uma cilada, Bino'. Pelo contrário, tenho um namorado que eu amo e sim, um dia quero ter o prazer de chamá-lo de marido, ter nossa casa, cachorros e blá blá blá. O que vejo é que há um padrão ou um senso-comum, talvez ocasionado pela zona de conforto: estudar, se formar, casar, ter filhos. Mas péra, e se eu tiver um sonho, onde eu o encaixo nisso tudo? E se esse tal sonho for viver, por um ano que seja, no exterior? Diriam algumas que isso é utopia, ou que 'não vale a pena abrir mão de um amor por uma viagem'. Critiquem-me, mas eu acho tudo isso aí careta. Por que não tudo junto, por que ter que abrir mão do sonho, ou do namorado?
Sim, eu acho, é a MINHA opinião e pode existir quem também esteja na minha.



Acredito em amor verdadeiro, acredito em família, acredito em finais felizes. Mas, também creio que a vida é uma só, e por ser única e exclusivamente minha, tenho o direito de escolher se quero seguir o 'tal padrão'. Olhe minha linha de raciocínio: depois de casada, aos 26, minhas possibilidades de 'zarpar' pro exterior diminuirão radicalmente, já que terei que arcar com despesas de uma casa, ter a responsabilidade para com outra pessoa e simplesmente não dá para jogar tudo pro alto. A não ser que seja um marido riquíssimo, que queira bancar meus estudos por um ano fora e se comprometa a passar esse tempo indo me visitar. Tá tá, isso não faz parte da minha realidade e tampouco quero para mim - não queira para você também!

Ontem minha mãe comentou: 'Em 1 ou 2 anos, qualquer namoro esfria a distância'. Ok, ok. Fato! Relacionamento requer cumplicidade, vivência e aquele abraço faz toda diferença - e não há Skype que resolva isso. Mas, se você está no mesmo barco que eu, tenha em mente e coloque na balança que:

- Há muitas AuPairs que foram namorando, voltaram e continuam com a mesma pessoa;
- Há outras que o namorado conseguiu fazer uma visitinha durante o tempo nos EUA (também é meu caso, assim pretendemos!);
- Ainda tem quem não aguentou dois meses, largou e sofreu;
- Tem quem não aguentou, largou e viu que se tivesse deixado o programa de lado pela pessoa, teria jogado uma ótima oportunidade fora - reconheceu que graças ao AuPair viu que aquele cara não tinha nada a ver;
- Existem as que encontram uma outra pessoa por lá;

O medo me visita diariamente e a saudade já começou bem antes de ser chamada para morar em mim, principalmente quando termina o final de semana e sei que não o terei para dormir juntinho, ganhar aquele abraço gostoso e fazer todos os programinhas que tornam nosso relacionamento mágico. MAS, nem todo conto de fadas é perfeito: é preciso seguir adiante e ter fé que SIM, vai durar e vamos aguentar. E outra, se não der... não era pra ser, né não?! A vida é uma caixinha de surpresas! Se for pra não dar certo, não vai dar mesmo sem viajar.



Se você também deixa aqui uma pessoa importante, troque sempre o ciúmes, a desconfiança e o medo pelas boas lembranças e pela esperança do dia que se encontrarão novamente. Pensar negativo ou convidar inseguranças que são frutos apenas da cabeça não vão ajudar em nada, acredite! ;)

Vai ser difícil 'desligar' no começo (quem vive de Whatsapp, facebook e ainda por cima, trabalha junto, sabe do que estou falando!), só que cada um precisa ter sua vida, porém caminhando sempre rumo à mesma direção. 

Marcus, obrigada por todo apoio, incentivo e carinho nessa fase de tantas decisões! ♥

6 comentários:

  1. é isso ai!!!!As escolhas são parte do caminho e tenho certeza que se for para dar certo o namoradão vai estar ai para juntos contarem aos filhos esta experiência que vcs viveram e ainda dar força para eles terem asas e viverem suas próprias experiências.....Desejo tudo de muito bom para vc!!! Bjs Giovanna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gi,
      Isso mesmo! Torcemos para que dê certo, mas contamos com a escolha de Deus! Com o tempo, tudo se encaixa!
      Obrigada pelas palavras!
      Beijão! :)

      Excluir
  2. Por onde estiver estamos rezando e torcendo por vc! Bjo Dani e Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada casal!
      Sempre vou levá-los em meu coração!
      Beijão! :)

      Excluir
  3. Aline, essa decisão realmente é difícil, mas se você está com uma pessoa disposta a tentar um relacionamento a distância já é meio caminho andado pra dar certo. Eu já passei por algo parecido, eu tinha 17 anos. Contei a história toda aqui, caso você queira ler: http://tinyurl.com/mt4vb5e . Eu acho que você tem que tentar mesmo, a hora é agora. Depois fica mais difícil mesmo fazer essas coisas, viajar, estudar fora, etc.

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcela,
      Já li esse seu post várias vezes e até passei para duas amigas, acredita? (sorry pela divulgação sem autorização!). Eu tive um namorado há um tempo que era exatamente como o seu, dos 17 anos. E com o tempo, a gente olha para trás e pensa: se eu não tivesse feito, teria me arrependido.

      O primeiro passo é a escolha!

      Obrigada pelas palavras, e pela inspiração!
      Beijão!

      Excluir